Sites Grátis no Comunidades.net
SPURGEON A PERPETUIDADE DA LEI SOB A NOVA ALIANÇA

 

DEIXE SEU COMENTARIO ABAIXO! 

 

A PERPETUIDADE DA LEI DE DEUS

 

 

 

Um Sermão pregado na manhã do Dia do Senhor, 21 de maio de 1882, por Charles H. Spurgeon no Tabernáculo Metropolitano, Newington.

 

 

 

“Em verdade vos digo que até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til jamais passará da lei, até que tudo se cumpra”. (Mateus 5:18).

 

 

 

 

 

Tem sido dito que aquele que entende os dois concertos é um teólogo, e isto é, sem dúvida, verdadeiro. Também se poderia dizer que o homem que conhece as posições relativas da lei e do Evangelho tem as chaves da situação em termos de doutrina. O relacionamento da lei para comigo, e como me condena: o relacionamento do Evangelho para comigo, e como se eu for um crente me justifica—estes são dois pontos que cada cristão deveria claramente entender. Não deveria “ver homens como árvores andando” neste assunto, do contrário poderia defrontar grande tristeza, e cair nos erros em que traria dor ao coração e injuriar sua vida. Atrapalhar-se acerca da lei e do Evangelho é ensinar o que não é nem lei nem Evangelho, mas o oposto dos dois. Que o Espírito de Deus seja nosso professor, e a Palavra de Deus seja nosso livro-guia, e assim não vamos errar.

 

 

 

Muitos grandes erros têm sido cometidos acerca da lei. Não muito tempo atrás havia entre nós aqueles que afirmavam que a lei está ab-rogada ou abolida, e abertamente ensinavam que os crentes não eram mais obrigados a tornar a lei moral a regra de sua vida. O que seria pecado em outros eles contavam como não sendo pecado neles próprios. Que Deus nos livre deste tipo de antinomismo. Não estamos debaixo da lei como método de salvação, mas nos alegramos em ver a lei na mão de Cristo, e desejar obedecer ao Senhor em todas as coisas. Outros têm defrontado os que ensinam que Jesus diminuiu e suavizou a lei, e têm assim dito que a perfeita lei de Deus era tão dura para seres imperfeitos que Deus nos deu uma regra mais suave e fácil. Isto beira perigosamente as margens de um terrível erro, embora nos pareça que têm pouca consciência disso. E temos conhecido autores que vão mais além disso, e têm hostilizado a lei. Ó, as duras palavras que às vezes tenho lido contra a santa lei de Deus! Quão infelizes aqueles aos quais o apóstolo usou as palavras, “A lei é santa, e o mandamento santo, e justo, e bom”. Quão diferente do espírito reverente que o fez dizer—“Eu tenho prazer na lei de Deus em meu homem interior”.

 

 

 

Vocês sabem o quanto Davi amou a lei de Deus, e cantou seus louvores através dos Salmos. O coração de cada real cristão é reverente ao máximo a respeito da lei do Senhor. É perfeita, para não dizer, é perfeição em si mesma. A santificação que fica aquém da perfeita conformidade com a lei não pode ser verdadeiramente chamada de santificação, porque cada falha quanto à exata conformidade com a lei perfeita é pecado. Que o Espírito de Deus nos ajude enquanto, em imitação ao nosso Senhor Jesus, procuramos magnificar a lei.

 

 

 

Colho do nosso texto duas coisas sobre as quais devo falar nesta hora. A primeira é que a lei de Deus é perpétua: “Até que o céu e a terra passem, nenhum jota ou til passará da lei”. O significado é que mesmo no menor ponto deve ser vigente até que a lei seja cumprida. Segundo, percebemos que a lei deve ser cumprida: Nem “um jota ou um til jamais passará da lei, até que tudo seja cumprido”. Aquele que veio trazer a dispensação do Evangelho declara aqui que não veio destruir a lei, mas cumpri-la.

 

 

 

I. Primeiro: A LEI DE DEUS DEVE SER PERPÉTUA. Não há revogação, nem alteração da mesma. Ela não deve ser atenuada ou ajustada à nossa condição pecaminosa; mas cada um dos justos preceitos do Senhor permanece para sempre. Apresento três razões que estabelecerão este ensino:

 

 

 

Em primeiro lugar, nosso Senhor Jesus declara que não veio para aboli-­la. Suas palavras são bastante claras:

 

“Não penseis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim para destruir, mas cumprir”. E Paulo com relação ao evangelho nos diz: “Anulamos, pois, a lei pela fé? Não, de maneira nenhuma! Antes, confirmamos a lei” (Romanos 3:31). O evangelho é o meio de estabelecer, firmar e vindicar a lei de Deus.

 *** Neste ponto, apesar do imenso respeito ao homem de Deus  Spurgeon, percebems que o mesmo  aplica errado o texto de Romanos 3:31, para verificar, separamos um estudo mais amplo sobre este texto aqui

 

 

Jesus não veio para mudar a lei, mas sim para explicá-la, e justamente por essa circunstância mostra que ela permanece; visto não haver necessidade de explicar o que é abolido. Num ponto específico em que ocorre um pouco de cerimonialismo, ou seja, a observância do sábado, nosso Senhor ampliou e mostrou que a ideia judaica não era a verdadeira. Os fariseus proibiam mesmo o cumprir atos de necessidade e misericórdia, como debulhar o grão para saciar o faminto, e curar o doente. Nosso Senhor Jesus mostrou que não era contrário ao pensamento de Deus realizar tais coisas. Ao se preocuparem com a letra levando uma observância externa ao extremo, eles tinham perdido de vista o espírito da lei do sábado, o que sugere obras de piedade tais que consagram o dia. Ele mostrou que o descanso sabático não era meramente a inércia, e disse, “Meu Pai trabalha até agora, e Eu também”.

 

 

 

Ele apontou aos sacerdotes que trabalhavam duro com as ofertas de sacrifício, realizando um serviço divino, e estavam dentro da lei. Para ir de encontro a este erro Ele teve o cuidado de realizar alguns de Seus grandes milagres no dia de sábado; e mesmo que isto tenha produzido um grande ódio contra Ele, como se fosse um quebrantador da lei, ainda assim fez isto de propósito para que vissem que o sábado foi feito para o homem e não o homem para o sábado, e que deve ser um dia de fazer o que honra a Deus e abençoa os homens.

 

 

 

Ó, que o homem soubesse como guardar o sábado espiritual ao cessar todo o trabalho servil, e todo trabalho feito para si mesmo. O descanso de fé é o verdadeiro sábado, e o serviço de Deus é a mais aceitável santificação do dia. Ó, que o dia fosse gasto inteiramente em servir a Deus e fazer o bem! A síntese do ensino de nosso Senhor foi que as obras de necessidade, obras de misericórdia, e obras de piedade são lícitas no sábado. Ele explicou a lei neste ponto e em outros, ainda assim esta explicação não alterou o mandamento, mas somente removeu o pó da tradição que havia sobre a lei. Com essa exemplificação, Ele a confirmou; Ele não poderia haver intencionado aboli-la ou não teria a necessidade de explicá-la.

 

 

 

Além de explicá-la o Mestre foi mais adiante: Ele apontou ao seu caráter espiritual. Isto os judeus não haviam observado. Julgavam, por exemplo, que o mandamento “Não matarás” simplesmente proibia o assassinato e o homicídio involuntário: mas o Salvador mostrou que a ira sem causa viola a lei, e que as palavras duras e o amaldiçoar, e todas as outras exibições de inimizade e malícia, são proibidas pelo mandamento. Eles sabiam que não deveriam cometer adultério, mas não entrava em sua mente que o desejo lascivo seria uma ofensa contra o preceito, até que o Salvador disse, “Aquele que olhar para a mulher e cobiçá-la já cometeu adultério com ela em seu coração”. Ele mostrou que o pensamento do mal é pecado, que a imaginação impura polui o coração, que o desejo arbitrário é culpado aos olhos do Altíssimo.

 

 

 

Certamente isto não era abolir a lei: era um maravilhosa exibição de sua grande soberania e de sua busca de caráter. Os fariseus imaginavam que se guardassem suas mãos, e seus pés, e sua língua, tudo estava feito, mas Jesus mostrou que o pensamento, a imaginação, o desejo, memória, tudo, deve ser trazido em sujeição à vontade de Deus, senão a lei não estará cumprida. Quão esquadrinhadora e singela é esta doutrina! Se a lei do Senhor alcança o íntimo, quem dentre nós pode, por natureza, permanecer diante de seu julgamento? Quem pode entender os seus erros?

 

 

 

Purifica-me das faltas secretas. Os dez mandamentos são cheios de significado—mostrando o que muitos parecem ignorar. Por exemplo, muitos permitirão falta de atenção dentro e ao redor de sua casa para com as regras de saúde e cuidados sanitários, mas não atentam a que estão atropelando o mandamento, “Não matarás”, pois ainda esta regra proíbe que façamos qualquer coisa que cause malefício à saúde de nosso próximo, e assim privá-lo da vida. Para muitos um artigo mal-manufaturado, para outros uma loja mal-ventilada, para outros mais, um negócio com carga horária excessiva, é a visível violação deste mandamento. Deveria eu dizer menos de bebidas, que levam tão rapidamente às doenças e morte, e enchem nossos cemitérios com incontáveis sepulcros? Assim, também, em referência ao outro preceito: algumas pessoas repetirão músicas e relatos que sugerem a impureza. Desejaria que isso não fosse tão comum quanto é. Não sabem que uma palavra impura, com significado dúbio, uma sugestão maliciosa de luxúria, tudo está coberto pelo mandamento, “Não cometerás adultério”? É tão de acordo com o ensino de nosso Senhor Jesus.

 

 

 

Ó, não fale comigo acerca de nosso Senhor ter trazido uma lei menos severa em vista de o homem não poder guardar o Decálogo, porque Ele não fez nada disso. “Na sua mão Ele tem a pá, e limpará a sua eira”. (Mat. 3:12) “Mas quem suportará o dia da Sua vinda? ... Porque Ele é como o fogo refinador, e como o sabão dos lavandeiros”. (Mal. 3:2) Não vamos ousar sonhar que Deus nos tinha dado uma lei perfeita que nós, pobres criaturas, não podíamos guardar, e que assim Ele corrigiu a Sua legislação, e enviou o Seu Filho para nos colocar diante de uma disciplina relaxada. Nada disso. O Senhor Jesus Cristo tem, pelo contrário, mostrado quão intimamente a lei nos cerca e nos acompanha junto à cama e à mesa, e assim nos convence do pecado interior, mesmo que pareçamos limpos pelo exterior. Ai de mim, esta lei é elevada; eu não a posso atingir. Ela em todos os lugares me cerca; ela me acompanha até a minha cama; ela segue os meus passos e marca os meus caminhos onde quer que eu esteja. Em nenhum momento cessa de governar e exigir obediência. Ó Deus, estou condenado em todos os lugares, porque em todos os lugares a Tua lei me revela meus sérios desvios do caminho da justiça e me mostra quão carente eu sou da Tua glória. Tem piedade de Teu servo, porque vou voando para o Evangelho que tem feito por mim o que a lei nunca poderia fazer.

 

 

 

“Ver a lei por Cristo cumprida,

 

E suportar Sua voz perdoadora,

 

Muda um escravo numa criança,

 

E o dever em escolha”.

 

 

 

Nosso Senhor Jesus Cristo, além de explicar a lei e apontar ao seu caráter espiritual, também revelou a sua essência, pois quando alguém O questionou “Qual o maior mandamento da lei?” Ele disse, “Amarás o Senhor teu Deus com todo o seu coração, e com toda a sua alma, e com todo o seu entendimento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo é semelhante a este; Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas”. Em outras palavras, Ele nos tem dito, “Toda a lei se cumpre nisto: Amar”. Aí está o âmago e cerne da questão.

Se alguém me diz: ‘Eis que em substituição aos Dez Mandamentos recebemos dois, que são muito mais fáceis’, responder-lhe-ei que essa versão da lei não é de maneira alguma mais fácil. Uma observação tal implica falta de meditação e experiência. Esses dois preceitos abrangem os dez, em seu mais amplo sentido, não podendo ser considerada a exclusão de um jota ou til dos mesmos. Quaisquer dificuldades existentes nos mandamentos são igualmente encontradas nos dois, que lhes são a súmula e substância. Se amais a Deus de todo o vosso coração, tornar-se-á preciso observar a primeira parte; e se amais ao próximo como a vós mesmos, precisais observar a segunda.

Se alguém supõe que a lei do amor é uma adaptação da lei moral para com a condição do homem caído erra grandemente. Posso somente dizer que a suposta adaptação não é mais adaptada a nós do que a lei original. Se pudesse ser concebido haver alguma diferença em dificuldade, talvez seja mais fácil cumprir os dez do que os dois; pois se não vamos mais fundo do que a letra, os dois são os mais exigentes, já que têm a ver com o coração, a alma, e o entendimento. Os dez mandamentos significam tudo o que os dois expressam; mas se nos esquecemos disto, e somente olhamos para as palavras deles, eu digo, é mais difícil para o homem amar a Deus com todo o seu coração, com toda a sua alma, com todo o seu entendimento, e com toda a sua força, e seu próximo como a si mesmo do que seria simplesmente se abster de matar, roubar, e testemunhar falsamente.

Cristo, portanto, não aboliu ou sequer alterou a lei para vir ao encontro das nossas deficiências; Ele a deixou em toda a sua sublime perfeição, como sempre deve ser deixada, e ressaltou quão profundos são os seus fundamentos, quão elevadas as suas alturas, quão imensuráveis o seu comprimento e largura. Como as leis dos Medos e Persas, os mandamentos de Deus não podem ser alterados; nós somos salvos por outro método.

 

 

 

Para mostrar que Ele nunca pretendeu revogar a lei, nosso Senhor Jesus encarnou todos os seus mandamentos na própria vida. Em Sua própria pessoa havia uma natureza que estava em perfeita conformidade com a lei de Deus; e como era a Sua natureza, assim era a Sua vida. Ele podia dizer, “Quem dentre vós me convence de pecado?” (Jo. 8:46) e novamente “do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor” (Jo. 15:10). Posso não dizer que Ele era escrupulosamente cuidadoso em guardar a lei: eu não farei isso, porque não havia tendência nEle de fazê-lo de outra maneira: Ele era tão perfeito e puro, tão infinitamente bom, e tão completo em sua concordância e comunhão com o Pai que em todas as coisas obedeceu a vontade de Seu Pai. O Pai disse a respeito dEle, “Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo; a ele ouvi” (Mat. 17:5). Aponte, se puder, alguma maneira em que Cristo tenha violado a lei ou deixado de cumpri-la. Nunca houve um pensamento impuro ou desejo de rebelião em Sua alma; Ele não tinha nada a se arrepender ou se retratar: se não fosse assim, teria pecado. Ele foi extremamente tentado no deserto, e o inimigo teve o desrespeito de mesmo sugerir-Lhe idolatria, mas Ele instantaneamente derrotou o adversário. O príncipe deste mundo veio até Ele, mas não achou nada nEle.

 

 

 

“Meu querido Redentor e meu Senhor,

 

Leio o meu dever em Tua Palavra;

 

Mas em Tua vida a lei aparece

 

Registrada em personagens vivos”.

 

 

 

Agora, se esta lei tivesse sido tão elevada e tão dura, Cristo não teria exibido isto em Sua vida, mas como nosso exemplo Ele colocaria aquela lei mais branda que veio introduzir, como é sugerido por alguns teólogos. Além do mais, como nosso Líder e Exemplo exibiu-nos em Sua vida uma obediência perfeita às sagradas ordenanças em sua grandeza plena, e capto a ideia de que Ele deseja ser o modelo de nossa conversação. Nosso Senhor não eliminou sequer um ponto ou pico dessa elevadíssima montanha da perfeição. Ele primeiramente declarou, “Eis aqui venho; no rolo do livro está escrito a meu respeito: Deleito-me em fazer a tua vontade, ó Deus meu; sim, a tua lei está dentro do meu coração”. (Salmo 40:7-8), e Ele tem bem justificado o escrito do volume do livro. “Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido debaixo de lei” (Gál. 4:4); e em nosso favor embaixo da lei Ele a obedeceu integralmente, assim que agora “Pois Cristo é o fim da lei para justificar a todo aquele que crê” (Rom. 10:4).

 

 

 

Uma vez mais, é evidente que o Mestre não veio alterar a lei, porque depois de havê-­la unido à Sua própria vida, Ele voluntariamente se entregou para sofrer a sua penalidade, se bem que nunca a houvesse quebrado, sofrendo a penalidade por nós, como está escrito: “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-­Se maldição por nós” (Gál. 3:13). “Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas, cada um se desviava pelo seu caminho; mas o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós”. (Isa. 53:6).

 

 

 

Se a lei exigisse de nós mais do que deveria haver feito, teria o Senhor Jesus pago a penalidade resultante de suas exigências demasiado severas? Estou certo de que não o faria. Mas por exigir a lei somente o que devia exigir, isto é, obediência perfeita, e exigia do transgressor apenas aquilo que devia exigir, ou seja, a morte como penalidade pelo pecado–a morte sob a ira divina–o Salvador foi pregado no madeiro, levando sobre Si os nossos pecados, e expiando-­os uma vez por todas. Ele foi esmagado sob do peso da culpa, e clamou, “A minha alma está triste até à morte; ficai aqui e vigiai comigo” (Mat. 26:38), e finalmente quando tinha suportado “Tudo o que o Deus encarnado poderia assumir, Com força suficiente, mas nenhuma a sobrar” Ele inclinou a cabeça e disse, “Está consumado” (Jo. 19:30).

 

 

 

Nosso Senhor Jesus Cristo deu maior vindicação à lei, morrendo por haver ela sido quebrada, do que podem dar todos os perdidos por suas misérias, pois o seu sofrimento nunca é completo, sua dívida nunca é paga; mas Ele suportou tudo o que cabia ao Seu povo, e a lei não é defraudada em nada. Por sua morte Ele vindicou a honra do governo moral de Deus, e fez isso só por Ele ser misericordioso.

 

 

 

Quando o próprio legislador se submete à lei, quando o próprio soberano suporta a penalidade máxima da lei, então a justiça de Deus é colocada sobre um patamar tão altamente glorioso que todos os mundos admirarão em assombro. Se, portanto, está claramente provado que Jesus era obediente à lei, até ao ponto da morte, Ele certamente não veio aboli-la ou revogá-la, e se Ele não a removeu, quem pode fazê-lo? Se Ele declara que veio para estabelecê-la, quem deveria derrubá-la?

 

 

 

Por outro lado, a lei de Deus deve ser perpétua em sua própria natureza, pois não lhe ocorre no momento em que pensa nisso que o certo deve sempre ser correto, a verdade deve sempre ser verdadeira, e a pureza deve ser sempre a pura? Antes que os dez mandamentos fossem entregues no Sinai havia ainda a mesma lei de certo e errado colocada sobre os homens pela necessidade de eles serem criaturas de Deus. O certo sempre foi o certo antes que um único mandamento tivesse sido expresso em palavras. Quando Adão estava no jardim, sempre era certo de que deveria amar o seu Criador, e seria sempre errado que tivesse objetivos contrários aos do seu Deus; e não importa o que aconteça neste mundo, ou que mudanças ocorram no universo, nunca vai ser correto mentir, ou cometer adultério, ou assassinato, ou roubo, ou adorar a um deus-ídolo. Não vou dizer que os princípios de certo e errado são tão absolutamente auto-existentes como Deus, mas não posso conceber a idéia de um Deus existindo à parte de Si mesmo, sempre santo e sempre verdadeiro; de modo que a própria ideia de certo e errado parece-me necessariamente permanente, e não pode ser mudada.

 

 

 

Você não pode trazer o certo a um nível inferior; deve estar no lugar onde sempre está: o certo é certo eternamente, e não pode ser errado. Você não pode erguer o errado e torná-lo de alguma forma certo; deve ser errado, enquanto o mundo permanecer. Céu e terra passarão, mas não a menor letra ou o menor til da lei moral poderá jamais mudar. No espírito a lei é eterna.

 

 

 

Suponhamos por um momento que fosse possível interferir e suavizar a lei, em que ponto isso se daria? Confesso que não sei e nem posso imaginar. Se é perfeitamente santa, como pode ser alterada, exceto por ser tornada imperfeita? Você desejaria isto? Poderia adorar ao Deus de uma lei imperfeita? Pode ser jamais verdadeiro que Deus, visando a favorecer-nos, colocou-nos sob uma lei imperfeita? Isso seria uma bênção ou uma maldição? É dito por alguns que o homem não pode observar uma lei perfeita, e Deus não exige que tal devesse. Alguns teólogos modernos têm ensinado isso, espero que, por descuido.

 

 

 

Será que Deus emitiu uma lei imperfeita? É a primeira coisa imperfeita de que já ouvi sendo obra de Sua criação. Será que chegamos afinal à conclusão de que, afinal de contas, o evangelho é uma proclamação de que Deus se satisfará com a obediência a uma lei mutilada? Deus me livre. Eu diria que é melhor que morramos a que Sua lei perfeita pereça.

 

 

 

Terrível como é, ela está no fundamento da paz do universo, e deve ser honrada em todos os casos. Se ela se acaba, tudo se acaba. Quando o poder do Espírito Santo me convenceu do pecado, senti como uma reverência solene a respeito da lei de Deus, de que me lembro bem; quando me senti esmagado por ela como um pecador condenado, ainda a admirava e a glorificava. Eu não poderia ter desejado que a lei perfeita fosse alterada para mim. Em vez disso senti que, se a minha alma fosse enviada para as profundezas do inferno, Deus seria exaltado por Sua justiça e Sua lei grandemente honrada por sua perfeição. Eu não a teria alterado nem mesmo para salvar a minha alma. Irmãos, a lei do Senhor deve permanecer, pois é perfeita e, portanto, não tem em si nenhum elemento de deterioração ou alteração.

 

 

 

A lei de Deus não é mais do que Deus pode pedir de forma mais justa de nós. Se Deus estivesse prestes a dar-nos uma lei mais tolerante, seria uma confissão de sua parte de que pedira muito no início. Pode-se supor isso? Haveria, afinal de contas, alguma justificativa para a declaração do Servo mau e preguiçoso, quando disse: “tinha medo de ti, porque és um homem severo” (Luc. 19:21)? Não pode ser. Porque em Deus alterar Sua lei seria uma admissão de que cometeu um erro no início, que colocou o pobre homem imperfeito (geralmente ouvimos isto) sob um regime demasiado rigoroso, e, portanto, agora Ele está preparado para diminuir suas reivindicações, tornando-as mais razoáveis. Tem sido dito que a incapacidade moral do homem em observar a lei perfeita o isenta do dever de assim fazê-lo. Isto é muito especioso, mas totalmente falso. A incapacidade do homem não é do tipo que remove a responsabilidade: é moral, não físico. Nunca caia no erro de julgar que a incapacidade moral será uma desculpa para o pecado. Ora, quando um homem se torna um tal mentiroso que não pode falar a verdade, estará, então, isento do dever da veracidade? Se o seu servo lhe deve um dia de trabalho, ele fica livre da dívida porque se tornou tão bêbado que não pode servi-lo? É um homem livre de uma dívida pelo fato de que desperdiçou o dinheiro e, portanto, não pode pagar? É um homem imoral livre para saciar suas paixões, porque não pode compreender a beleza da castidade? Isso é doutrina perigosa. A lei é uma só, e o homem está a ela ligado apesar de seu pecado tê-lo tornado incapaz de assim fazer.

 

 

 

A lei, além disso, nada mais exige do que o que é bom para nós. Não há um único mandamento da lei de Deus que não pretenda ser uma espécie de sinal de perigo, como colocamos sobre o gelo quando é fino demais. Cada mandamento faz como se fosse nos dizer, “Perigo”. Nunca é para o bem do homem fazer o que Deus lhe proíbe; nunca é para a felicidade real e definitiva do homem deixar nada por fazer do que Deus lhe ordena. As mais sábias orientações para a saúde espiritual, e para evitar o mal, são as indicações dadas a nós sobre o certo e o errado na lei de Deus. Portanto, não é possível que haja qualquer alteração da mesma que não seria para o nosso bem.

 

 

 

Gostaria de dizer a qualquer irmão que pensa que Deus nos colocou sob uma regra alterada: “Que parte específica da lei é que Deus tornou mais relaxada?” Qual preceito se sente livre para transgredir? Você está livre do mandamento que proíbe roubar? Meu caro senhor, você pode ser um teólogo do maior prestígio, mas trancaria minhas colheres quando viesse à minha casa. É o mandamento sobre o adultério que acha que foi removido? Então não poderia recomendar que fosse admitido em qualquer sociedade decente. Foi a lei acerca de matar suavizada? Então eu preferiria ter o seu quarto à sua companhia. De qual lei Deus lhe tem isentado? A lei de adorar somente a Ele? Você propõe ter um outro Deus? Você pretende fazer imagens de escultura? O fato é que quando chegamos aos detalhes, não podemos nos dar ao luxo de perder um único elo dessa cadeia maravilhosa de ouro, que é perfeita em cada parte, bem como perfeita no seu todo. A lei é absolutamente completa, e você não pode adicionar a ela, nem tirar dela. “Pois qualquer que guardar toda a lei, mas tropeçar em um só ponto, tem-se tornado culpado de todos. Porque o mesmo que disse: Não adulterarás, também disse: Não matarás. Ora, se não cometes adultério, mas és homicida, te hás tornado transgressor da lei”. (Tia. 2:10-11). Se, então, nenhuma parte pode ser retirada, deve permanecer, e permanecer para sempre.

 

 

 

Uma terceira razão que darei por que a lei deve ser perpétua é que supor que fosse alterada é por demais perigoso. Tirar da lei a sua perpetuidade é antes de tudo tirar dela o seu poder para convencer do pecado. Seria o caso de que não se espera que eu, sendo uma criatura imperfeita, observe uma lei perfeita? Então segue-se que não peco quando transgrido a lei; e se tudo o que é exigido de mim é que aja de acordo com o melhor de meu conhecimento e habilidade, então tenho, de fato, uma regra muito conveniente, e a maioria dos homens vai ter o cuidado de ajustá-la de modo a conceder-lhe tanta latitude quanto possível.

 

 

 

Ao remover a lei você está acabando com o pecado, pois pecado é a transgressão da lei, e onde não há lei não há transgressão. Quando você elimina o pecado, pode muito bem eliminar o Salvador e a salvação, pois não são de forma alguma necessários. Quando tiver reduzido o pecado a um mínimo, que necessidade há da grande e gloriosa salvação que Jesus Cristo veio trazer ao mundo? Irmãos, não devemos acatar nada disso: é evidentemente uma forma de engano.

 

 

 

Ao reduzir a lei você enfraquece o seu poder nas mãos de Deus como um convencedor do pecado. “Pela lei vem o conhecimento do pecado” (Rom. 3:20). É o espelho, que nos mostra nossas manchas, e isso é uma coisa muito útil, embora nada mais, a não ser o evangelho, pode lavá-los.

 

 

 

“Minhas esperanças do céu eram firmes e brilhantes, Mas desde que o preceito veio

 

Com um poder de convencimento e de luz, entendo quão vil eu sou.

 

“Minha culpa parecia pequena antes, até que terrivelmente vi

 

quão perfeita, santa, justa e pura, era a Sua lei eterna.

 

“Então minh’alma sentiu a carga pesada,

 

Meus pecados reviveram novamente, eu tinha provocado um Deus terrível,

 

E todas as minhas esperanças foram mortas”.

 

 

 

É só uma lei pura e perfeita que o Espírito Santo pode usar a fim de nos mostrar nossa depravação e pecaminosidade. Diminua a lei e você enfraquece a luz pela qual o homem percebe a sua culpa. Esta é uma perda muito grave para o pecador, e não um ganho, pois diminui a probabilidade de sua convicção e conversão.

 

 

 

Você também tira da lei o seu poder de nos calar com a fé de Cristo. Para que é a lei de Deus? Para nos manter em ordem a fim de sermos salvos por ela? De forma alguma. Ela é enviada a fim de nos mostrar que não podemos ser salvos pelas obras, e nos calar para sermos salvo pela graça; mas se pretende de que a lei seja alterada de modo que o homem possa observá-la, deixou-lhe com sua antiga esperança, e certamente a ela se há de agarrar. Você precisa de uma lei perfeita que encerre o homem até à desesperança sem Jesus, que o coloque numa gaiola de ferro e o tranque, e não lhe oferece nenhuma fuga, mas a fé em Jesus; então ele começa a chorar: “Senhor, salva-me por graça, pois percebo que não posso ser salvo por minhas próprias obras”. É assim que Paulo descreve aos Gálatas: “Mas a Escritura encerrou tudo debaixo do pecado, para que a promessa pela fé em Jesus Cristo fosse dada aos que creem. Mas, antes que viesse a fé, estávamos guardados debaixo da lei, encerrados para aquela fé que se havia de revelar. De modo que a lei se tornou nosso aio, para nos conduzir a Cristo, a fim de que pela fé fôssemos justificados” (Gál. 2:22-24).

 

 

 

Afirmo que privaram o evangelho de seu auxiliar mais competente quando deixam de lado a lei. Dela se tirou o aio que traz os homens a Cristo. Não, ela deve permanecer, e permanecer em todos os seus terrores, para conduzir os homens para longe da justiça própria e constrangê-los a correr para Cristo. Nunca aceitarão a graça até tremerem diante de uma lei justa e santa; portanto, a lei serve a um propósito necessário e bem-aventurado, e não deve ser removida do seu lugar.

 

 

 

Alterar a lei é deixar-nos sem qualquer lei. Uma escala de obras é uma invenção imoral, fatal aos princípios da lei. Se cada homem deve ser aceito por fazer o seu melhor, todos nós estamos fazendo o nosso melhor. Há alguém que não o faça? Se levarmos a sério suas palavras, todos os nossos irmãos estão fazendo tão bem quanto possível, considerando suas naturezas imperfeitas. Mesmo as prostitutas na rua têm alguma justiça, ­ não está tão distantes quanto os demais. Nunca ouviu falar do bandido que cometeu muitos assassinatos, mas que sentia que estava fazendo o seu melhor, porque nunca matou ninguém numa sexta-feira?

 

 

 

A justiça própria constrói para si mesmo um ninho, mesmo no pior caráter. Essa é a conversa do homem: “Realmente, se você me conhecesse, diria que eu tenho sido uma boa pessoa por agir assim como tenho agido. Considere que pobre criatura caída eu sou; que fortes paixões nasceram em mim; que tentações me cercam, e você não vai me culpar muito. Afinal, eu ouso dizer que Deus está tão satisfeito comigo como com muitos que estão condição melhor, porque tive tão poucas vantagens”. Sim, você mudou o padrão, e cada um vai agora fazer o que é reto aos seus próprios olhos e afirmar estar fazendo o seu melhor.

 

 

 

Se você mudar o peso-medida certamente nunca vai conseguir o peso ou medida correta novamente. Não haverá nenhum padrão para seguir, e cada homem fará o seu melhor com os seus próprios quilos e alqueires. Se o padrão for adulterado, você removeu os fundamentos sobre os quais se realiza o comércio; e o mesmo se dá em matérias espirituais,--abolir a melhor regra que pode existir, qual seja, a própria lei de Deus, é não deixar nenhuma regra digna do nome. Que bela abertura isso deixa para a vanglória! Não é de admirar que os homens falem de santificação perfeita se a lei foi reduzida.

 

 

 

Não há nada notável em absoluto no nosso erguer-se segundo a regra se esta nos for convenientemente reduzida. Creio que serei perfeitamente santificado quando obedeço a lei de Deus, sem omissão ou transgressão, mas não até então. Se alguém diz que está perfeitamente santificada por ter-se medido por uma lei modificada por ele próprio, fico contente em saber que ele quer dizer, pois não tenho mais nada a tratar com ele: não vejo nada de maravilhoso em sua realização. O pecado é a minha falta de conformidade com a lei de Deus, e até estarmos perfeitamente conformados com esta lei em toda a sua extensão e amplitude espiritual é inútil falarmos sobre perfeita santificação: nenhum homem estará perfeitamente limpo até que aceite a pureza absoluta como o padrão pelo qual ele deve ser julgado.

 

 

 

Enquanto haja em nós qualquer desvio da lei perfeita não somos perfeitos. Que verdade que inspira humildade é esta! A lei não passará, mas deve ser cumprida. Esta verdade deve ser mantida, pois se ela acabar, nossos cordões estarão soltos, não podemos fortalecer bem o mastro; o navio vai se despedaçar todo; tornar-se-á um total desastre. O próprio evangelho seria destruído se você pudesse destruir a lei. Mexer com a lei é brincar com o evangelho. “Até que o céu e a terra passem, um jota ou um til jamais passará da lei, até que tudo seja cumprido” (Mat. 5:18).

 

 

 

 

 

II. Segundo: Venho mostrar, que A LEI DEVE SER CUMPRIDA. Espero que haja alguns neste lugar que estejam dizendo, “Nós não podemos cumpri-la”. E é exatamente a isso onde quero levá-los. A salvação pelas obras da lei deve ser vista como impossível por todos os homens que desejam ser salvos. Devemos aprender que a salvação é pela graça mediante a fé em Jesus Cristo nosso Senhor, e não por nossas próprias ações ou sentimentos; mas essa é uma doutrina que ninguém vai acolher até que tenha aprendido a verdade anterior, de que a salvação pelas obras da lei jamais pode alcançar a qualquer homem nascido de mulher. No entanto, a lei deve ser cumprida. Muitos dirão com Nicodemos: “Como pode ser isso?” (Jo. 3:9). Respondo, a lei se cumpre em Cristo, e pela fé recebemos o seu fruto.

 

 

 

Primeiro, como já disse, a lei é cumprida no sacrifício imaculado de Jesus Cristo. Se um homem quebrou uma lei, o que a lei faz com ele? Ela diz: “Eu devo ser honrada. Você quebrou o meu mandamento que foi sancionado com a pena de morte. Na medida em que você não me honra por obediência, mas me desonrou pela transgressão, você deve morrer”.

 

 

 

Nosso Senhor Jesus Cristo, que é o grande representante do concerto de seu povo, o seu segundo Adão, permaneceu firme no lugar de todos os que estão nEle, e apresentou-Se como vítima para a justiça divina. Uma vez que o seu povo era culpado de morte, Ele, como o cabeça de sua aliança, passou por sob a morte em seu lugar e permaneceu. Foi uma coisa gloriosa que tal morte representantativa se fizesse possível, e foi somente por causa da constituição original da raça como procedente de um pai comum, e colocado sob uma única cabeça. Na medida em que nossa queda foi de um Adão, foi-nos possível ser ressuscitados por outro Adão. “Como em Adão todos morreram, assim também em Cristo todos serão vivificados” (I Cor. 15:22).

 

Tornou-se possível para Deus, sobre o princípio da representação, permitir a substituição. Nossa primeira queda não foi por nossa culpa pessoal, mas por falha de nosso representante; e agora vem nosso segundo e mais grandioso representante, o Filho de Deus, e nos liberta, não por havermos honrado a lei, mas porque Ele assim o fez. Ele veio sob a lei por Seu nascimento, e sendo achado como um homem carregado com a culpa de todo o Seu povo, foi visitado com a sua penalidade. A lei levanta o seu sangrento machado, e isso fere a nossa gloriosa Cabeça para que possamos sair livres. Ele é o Filho de Deus que cumpre a lei ao morrer, o justo pelos injustos. “A alma que pecar, essa morrerá” (Eze. 18:1-4)–-há morte requerida, e em Cristo a morte é apresentada. Vida por vida é entregue: uma vida infinitamente preciosa ao invés das pobres vidas dos homens. Jesus morreu, e assim a lei foi cumprida pela submissão a sua pena, e sendo cumprida, seu poder de condenar e punir o crente já passou.

 

 

 

Em segundo lugar, a lei foi cumprida novamente para nós por Cristo em Sua vida. Eu já passei por isso, mas quero firmá-los nisso. Jesus Cristo como nossa cabeça e representante veio ao mundo com a dupla finalidade de suportar a pena e, ao mesmo tempo, observar a lei. Um de seus projetos principais em vir à Terra era “trazer a justiça perfeita”. “Porque, assim como pela desobediência de um só homem muitos foram constituídos pecadores, assim também pela obediência de um muitos serão constituídos justos” (Rom. 5:19). A lei exige uma vida perfeita, e aquele que crê em Jesus Cristo apresenta à lei uma vida perfeita, que ele estabeleceu para si mesmo pela fé. Não é sua própria vida, mas Cristo é feito justiça de Deus por nós, para nós mesmos, que somos um com Ele. “Cristo é o fim da lei para justiça de todo aquele que crê” (Rom. 10:4). O que Jesus fez é contado como se tivéssemos feito, e porque era justo Deus nos vê nEle e conta-nos justos sobre o princípio da substituição e representação. Oh, quão abençoado é trajar este manto e usá-lo e, assim, levantar-nos diante do Altíssimo numa melhor justiça do que a Sua lei exigia, porque exigia a justiça perfeita de uma criatura, mas nós vestimos a justiça absoluta do próprio Criador, e o que pode a lei pedir mais? Está escrito: “Nos seus dias Judá será salvo, e Israel habitará seguro; e este é o nome de que será chamado: O Senhor Justiça Nossa”(Jer. 23:6). “Foi do agrado do Senhor, por amor da sua justiça, engrandecer a lei e torná-la gloriosa” (Isa. 42:21).

 

 

 

Sim, mas isso não é tudo. A lei tem que ser cumprida em nós, pessoalmente, num sentido espiritual e evangélico. “Bem”, você diz, “mas como pode ser isso?” Eu respondo nas palavras de nosso apóstolo: “O que era impossível à lei, visto que se achava fraca pela carne” (Rom. 8:3), Cristo fez e está fazendo pelo Espírito Santo, “para que a justa exigência da lei se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito” (Rom. 8:4).

 

 

 

A regeneração é uma obra pela qual a lei é cumprida; pois quando um homem nasce de novo é colocada nele uma nova natureza, que ama a lei de Deus e está perfeitamente conformado à mesma. A nova natureza que Deus implanta em cada crente no momento em que nasce de novo é incapaz de pecar: ele não pode pecar, porque é nascido de Deus. Essa nova natureza é a descendência do Pai eterno, e o Espírito de Deus habita nela e, com ele, e o fortalece. É leve, é pura, e de acordo com a Escritura “semente viva e incorruptível que vive e permanece para sempre”. Se é incorruptível, é sem pecado, pois o pecado é corrupção, e corrompe tudo que toca. O apóstolo Paulo, ao descrever seus conflitos interiores, mostrou que ele próprio, seu verdadeiro e melhor eu, cumpriu a lei, pois ele diz: “Então, com a mente eu mesmo sirvo à lei de Deus” (Rom. 7:25). Ele consentia com a lei que era boa, que mostrava que estava do lado da lei e, apesar do pecado que habitava em seus membros o levar à transgressão, ainda assim sua nova natureza não permitia isto, mas odiava e detestava isso, e clamava contra isto como um escravo. A alma recém-nascida tem prazer na lei do Senhor, e não há nela uma vida insaciável que aspira à perfeição absoluta, e nunca vai descansar até que pague a Deus obediência perfeita e venha a ser como o próprio Deus.

 

 

 

Isso que é iniciado na regeneração continua e cresce até que finalmente chega à perfeição absoluta. Isso será visto no mundo vindouro; e oh, que cumprimento da lei haverá lá! A Lei não vai admitir nenhum homem no céu até que esteja perfeitamente conformado com isto, mas cada crente deve estar nessa perfeita condição. Nossa natureza deve ser refinada de toda escória e ser como ouro puro. Será nosso prazer no céu ser santos. Não haverá nada a nosso respeito, naquele tempo, que se manifeste contra um único mandamento. Vamos lá conhecer em nossos próprios corações a glória e excelência da vontade divina, e nossa vontade deverá ser executada no mesmo canal. Não devemos imaginar que os preceitos são rigorosos; pois eles serão a nossa própria vontade tão verdadeiramente quanto são a vontade de Deus. Nada que Deus tenha ordenado, por maior abnegação que exija agora, não vai exigir qualquer abnegação de nós depois. Santidade será o nosso elemento, o nosso deleite, a nossa natureza será inteiramente conforme a natureza e a mente de Deus como a santidade e bondade, e, em seguida, a lei será cumprida em nós, e vamos estar diante de Deus, tendo lavado nossas vestes e as tendo branqueado no sangue do Cordeiro, e ao mesmo tempo, sermos nós mesmos, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante. Então a lei do Senhor terá a eterna honra de nosso ser imortal. Oh, como nos alegraremos com isso! Nós nos alegramos nela segundo o homem interior agora, mas então vamos nos alegrar nela em virtude de nossos corpos ressuscitados serem instrumentos de justiça para Deus para todo o sempre.

 

 

 

Nenhum desejo desses corpos ressuscitados, nenhuma carência e necessidade neles irá, então, levar a alma ao desvio, mas todo o nosso corpo, alma e espírito estarão perfeitamente em conformidade com a mente divina. Vamos esperar e aguardar por isso. Nunca o alcançaremos, exceto crendo em Jesus. Perfeita santidade nunca será alcançada pelas obras da lei, pois as obras não podem mudar a natureza, mas pela fé em Jesus, a bem-aventurada obra do Espírito Santo, devemos tê-lo, e então eu acredito que estará entre nosso cantos de glória o de que o céu e a terra passarão, mas a palavra de Deus e a lei de Deus permanecem firmes para todo o sempre. Aleluia! Aleluia! Amém.

 

 

 

 

______________________________

 

Em relação a disputa entre o sábado e o domingo  concordamos mais  com o sábado sem ficar idolatrando este dia, nem dando importancia ao mesmo mais que Jesus deu, porém ainda tem outro problema, pois  na MUDANÇA  entre judaismo e cristianismo onde muitos preceitos divinos (leis como circuncisão, divorcio, odeie seu inimigo, dente por dente, etc)  e judaicos ficaram para trás....os gentios não guardavam o sábado, foram isentos da lei (atos 15:26-29) e ainda os apóstolos não fizeram NENHUMA  recomendação objetiva para guardá-lo, pelo contrario..andaram criticando quem guarda dias (gálatas 4:10, col 2:16, hebreus 4, romanos 14) ..e agora José? e agora Raimundo? e agora Azenilto G. Brito? E agora Anthony Luiggi Netto ?????

 

 

Na cultura judaica haviam muitos dias sagrados de feriado chamado sábados.

 

1.sábados semanais de descanso e adoração relembrando a criação e a libertação do Egito

2.sábados pascoais anunciando a morte de Cristo

3.sábados dos dias de festa anunciando profeticamente diversas realidades 

Paulo os classificou como sombras do que havia de vir em Colossenses 2:16-22, e na carta aos Hebreus, se vê tambem o entendimento de que a maioria das coisas da lei eram sobras dos bens vindouros.

 

"Porque em certo lugar disse assim do dia sétimo: E repousou Deus de todas as suas obras no sétimo dia.E outra vez neste lugar:Não entrarão no meu repouso.Visto, pois, que resta que alguns entrem nele, e que aqueles a quem primeiro foram pregadas as boas novas não entraram por causa da desobediência,Determina outra vez um certo dia, Hoje, dizendo por Davi, muito tempo depois, como está dito: Hoje, se ouvirdes a sua voz, Não endureçais os vossos corações".

Hebreus 4:4-7

 

No Velho testamento os judeus seguiam o sétimo dia, mas é determinado que os cristãos devem santificar um dia chamado "hoje"! Santifiquemos este dia, este momento, descansemos na sua justiça...busquemos e adoremos.

 

Muitos adventistas e creio que muitos judeus amam guardar o sábado pois é o dia que separamos de forma especial para reverenciarmos a Deus. Os adventistas tradicionais cuidam que o sábado é um dia especial, e desta forma seguem o glorioso ministerio da lei.

 

Mas aos adventistas da nova aliança é proposto um superior ministerio, no dizer de Paulo, de sobreexcelente gloria que diante da qual, a velha gloria do ministerio da lei nem deve respalnder (2 corintios 3)

 

Nós adventistas fomos ensinao a entender como pecado algo atrelado aos dez mandamentos, "pecado é transgressão da lei" está na ponta da lingua e entendemos omo "lei eterna " apenas os dez mandamentos quando na verdade Jesus em Mateus 5-7 se referiu a toda a toráh ..mudano muitas coisas e ampliano outras. na frente Jesus destaca que o principal mandamento é o amor, e isso nem está nos dez mandamentos.

 

Iso porque  na verdade obediencia a Deus é muito mais qu isso, sendo que existe uma escala de valores em Jesus na qual o sabado, em que estribamos como sendo o mandamento que define verdadeiros e mentirosos, nem recebeu de Cristo tanta atenção e muito menos dos apóstolos , pelo contrario (romanos 14, galatas 4:1, colossenses 2:16-20 e hebreus 3 e 4 deixam claro que o sábado era uma SOMBRA  do descanso em Cristo , por isso guardar o sábado depois de Cristo é muito mais estar descansando NELE  que fazer como os judeus faziam....Os cristãos introduziram o domingo em suas reuniões e não o paganismo como mentirosamente nos ensinaram..o paganismo apenas RATIFICOU  esta prática entre os cristãos..o que define um cristão NÃO É, NUNCA FOI E NEM NUNCA SERÁ  guardar sábado ou domingo, E G White nos enganou e só pregou coisas boas porque copiou 70% dos seus escritos de autores protestantes sem pagar direitos autorais a eles (fato CONFIRMADO  pela associação Geral) e ao mesmo tempo, ao morrer riquissima, exigiu direitos autorais até para bisnetos em seu testamento. NOSSA UNICA SAIDA  é mudarmos de nome, permanecer com boas coisas que Deus construiu em nós e excluir teologias que não prestam, permitindo apenas o evangelho da Biblia e não outro evangelho.

 

De que maneira isso pode acontecer?

 

Hebreus diz que é santificando um dia chamado "hoje", fazendo de todos os dias um sábado de adoração e comunhão, um dia de descasnso em Cristo, um dia de total entrega a Cristo.

 

Nasci e crersci nesta abençoada Igreja mas percebi também uma historia semelhante a dos judeus nela. Os fariseus se preocupavam muito com o sábado e nós adventistas em geral também, enquanto deveriamos estar mais preocupados com o que Jesus se preocupou mais , andar nas mesmas pegadas dele é o que fazem os 144000, exaltar as coisas que ele exaltou e dar o mesmo grau de importancia as coisas que ele deu..o evangelho verdadeiro é exatamnte isso: o sangue, e quanto a ensinos morais, novos enfoques e novos valores..nós invertemos isso quando repetimos a mesma historia dos judeus, sob pretexto de que este é nosso diferencial a aparensentar ao mundo (tema debatido em 1888 na AG http://www.igrejaadventista.rede.comunidades.net/) . Os fariseus acusaram os discipulos de colherem espigas para seu sustento e nós adventistas acusam pessoas por ganhar seu sustento quando trabalham ao sabado, quando muitas vezes, nesta dispensação dos gentios que vivemos, a maioria exige trabalho aos sabados, e nosso descanso é estar em Cristo (Hebreus 4 "resta um descanso para o povo de Deus") que cumpre a simbologia do sábado quanto a descanso. "vinde a mim os que estais cansados e encontrareis descanço" inclusive um vigia da associação pode trabalhar aos sabados enquanto um vigia de uma outra empresa, ou outra igreja, instituição, não pode. Devemos entender o sabado a luz de nossa dispensação gentiliza conforme (Atos 15:29 "nos pareceu bem a nós e ao Espírito Santo não vos impor nenhum outro encargo" ) Jesus disse em relação ao sábado "misericordia quero e não sacrificio" enquanto nós adventistas contam historias e mais historias de sacrificio pelo sabado, fazendo apologia contrária ao que Paulo ensina que "quem faz diferencça entre dia e dia não deve acusar o outro (Romanos 14) porque ninguem deve julgar os outros por sabados (colossenses 2:16) fazendo da grande prova de amor a Cristo e estar habilitado para receber o batismo "o guardar o "sábado" , quando a grande prova de amor a Cristo está mais presente em atitudes de amor ao proximo, visitar presos, "quando fazeis a estes pequeninos" "a mim o fizeste" . Concordamos e reiteramos que o sabado é pra ser uma benção a nós, foi feito para nos abençaor a adorar o Criador, aleluia, para que meditemos nas grandes e poderosas obras da Criação de Deus, e neste aspecto ele durará para sempre, devemos distinguir o sábado a luz de descanso de sábado a luz de memorial da criação e outras demais leis a luz da "revolução que Jesus operou no seio do judaísmo (mudou divorcio e muitas outras coisas conforme explanei acima) , e buscarmos ser "mais semelhante a Jesus (Costa Junior) e menos semelhantes aos fariseus. Que Deus nos abençoe a todos nós adventistas do sétimo dia a nos tornarmos adventistas da Nova Aliança em Cristo Jesus nosso Senhor e Salvador! pois esta é com certeza a vontade de Deus para todos os seus filhos adventistas! Um grande abraço irmão!

 

 

Verifico que o sábado na nova aliança, e na  reinterpretação da lei feita pelo seu autor, Jesus, sofre uma mudança interpretativa significativa, não ganhando mais o status que tinha antes como sinal entre Deus e seu povo (Ezequiel 20). No novo testamento novos sinais são declarados.  Jesus enfatiza que o sábado  foi feito para ser uma benção ao homem e que o homem não deveria viver em função dele. Devemos lembrar que o Novo Testamento apresenta uma escala de valores dando mais importância ou menos a todas as coisas. Algumas coisas passam a ser camelos (misericordia, justiça, bondade), outras mosquitos (dizimos até de detalhes). Neste panorama, não se justifica alardearmos o sábado como tendo mais importância que Jesus ou Paulo, que como os maiores os ícones da nova aliança/novo testamento,  deram. E qualquer que o fazê-lo , ultrapassa perigosamente as propostas de Jesus , de Paulo, do evangelho e do novo sistema proposto pelo sangue de Jesus (Nova Aliança). 

 

 

Comentário de Calvino a Gênesis 2.3 (escrito dois anos após a última edição de suas Institutas):

“Quando ouvimos que o sábado foi ab-rogado pela vinda de Cristo, devemos distinguir o que pertence ao governo perpétuo da vida humana e o que pertence propriamente às figuras antigas. O uso destas foi abolida quando a verdade foi cumprida. Descanso espiritual é a mortificação da carne ao ponto de que os filhos de Deus não devem viver para si mesmos ou permitir livremente as ações de suas inclinações. Assim, na medida que o sábado era uma figura desse descanso espiritual, eu digo que isso foi somente por um tempo.

> Mas, na medida em que foi ordenado aos homens, desde o início, de que eles deveriam se engajar no culto a Deus, é legítimo que o sábado cristão deva continuar até o fim do mundo. O sábado é uma ordenação da criação que é perpétua”.

 

.

 

 

 

 

 

Apresento-lhe Pastor Timm,  minha posição e uma possivel solução adventista para os textos de Galatas 4:10, col 2:16 e Hebreus 4.

 


 


 

Há nas escrituras a divisão de  um evangelho destinado a judeus (contendo a lei) e outro evangelho destinado a gentios (sem lei). Atos 15 esclarece essa divisão.  Entendemos que Deus respeitou a cultura mosaica (Moisés) dos Judeus, pelo menos, na transição ocorrida entre judaismo e cristianismo. O apóstolo Paulo já condenava por esta época os judeus extremados juntamente com o conselho de Thiago, que nos parece ter uma reminiscênia do legalismo quando Thiago expressa "por agora".

 


 

Percebemos que Deus  abençoou mais a Paulo no sentido de esclarecer o misterio divino , e mesmo que o evangelho e as novidades que Cristo trouxe, incluissem a lei, pois Jesus, explica Paulo,  ainda estava  sob a velha aliança e "ministrando aos circuncisos" judeus.

 


 

A salvação pela fé na justiça do sangue de Jesus, na punição vicaria, na justiça imputada e concedida a cada crente, seja ele com lei ou sem lei judaica, é a grande revelação graciosa dos céus destinada a nós, bem como todo o amor e interesse divino em nos salvar de nossos pecados pela dádiva incomparável de seu Filho como oferta pelo pecado, destinada a receber a ira divina pelo pecado no lugar daqueles que não hão de receber a ira do cordeiro e de Deus no apocalipse. Essa graça eterna implica em predestinação daqueles que na presciêcia divina haveriam de aceitá-la, bem como na condenação divina que em sua presciêcia haveriam de rejeitá-la, por valorizarem mais o "equilibrio de suas obras" como agente da salvação.  Aqueles que aceitam a graça e confiam não entram em juizo (João 5:24) e nenhuma condenação há, quantos aos demais, serão julgados pelas suas obras nas quais confiam e para estres resta um juizo.

 

 

 


 

Paulo e  a cruz de Cristo se identificam  como "o evangelho aos gentios", e a lei como as iniciações judaicas , ensinos  elementares e básicos que devem ser suplantados por uma ordem cristã superior, espiritual , que supera, aprofunda, espiritualiza, abrange realidades eternas e tem novos focos (poder, libertação, dons). II Corintios 3 & etc.

 


 

Quanto ao sábado e a lei, acreditamos no movimento adventista que entenderia o livrinho selado de Daniel e alarmariam ao mundo sobre a audacia da ponta pequena (papado) de mudar a velha e básica lei dos judeus, ascendencia dos  cristãos. Este movimento pregaria sobre a hora do juizo e sobre a necessidade de  adoração ao Criador no fim dos dias. Apocalipse 14 .

 


 

Os adventistas cairam segundo Knight, Prescott, Jones, Waggoner, Venden, Dr Paxton e outros, em focar demasiadamente os pontos novos, negligenciando o verdadeiro e pleno evangelho em favor destes pontos proféticos novos que teriam que apresentar ao mundo. Sua desculpa sempre foi "os evangélicos já pregam isso, precisamos pregar o que não se prega". escrito em Nulidade do adventismo e a visão apocaliptica pelo mesmo autor (se contradizendo com "a mensagem de 1888 Knight). E de tal forma fora a queda, que um abismo atraiu outro abismo, ou seja, passaram a idolatrar estes pontos como sua vida e identidade missionaria. Uma lástima. E uma série de errros vieram acomodar-se na nossa cultura impedindo que as escrituras e o evangelho de Jesus nos assista de forma até básica.

 

 

 

Mas como fica a posição aqui?

 

 

 

Antes de sabermos deste comentario de Calvino, defendiamos algo parecido:

 


 

Comentário de Calvino a Gênesis 2.3 (escrito dois anos após a última edição de suas Institutas):

“Quando ouvimos que o sábado foi ab-rogado pela vinda de Cristo, devemos distinguir o que pertence ao governo perpétuo da vida humana e o que pertence propriamente às figuras antigas. O uso destas foi abolida quando a verdade foi cumprida. Descanso espiritual é a mortificação da carne ao ponto de que os filhos de Deus não devem viver para si mesmos ou permitir livremente as ações de suas inclinações. Assim, na medida que o sábado era uma figura desse descanso espiritual, eu digo que isso foi somente por um tempo.

-------> Mas, na medida em que foi ordenado aos homens, desde o início, de que eles deveriam se engajar no culto a Deus, é legítimo que o sábado cristão deva continuar até o fim do mundo. O sábado é uma ordenação da criação que é perpétua”.

 

.

 

Ou seja

 

.

 

Sábado como descanso se cumpriu em Jesus (heb 4, col 2:16)
Sábado como chamamento para adoração ao Criador -> continua!   apocalipse 14:6

 

Sábado como opção facultativa de prática cristã em Paulo->Romanos 14

 

Sábado reinterpretado por Jesus->"misericordia quero e não sacrificios"em prol do sabado

 

 

 


 


 

Apesar de Paulo em Romanos 14 ordenar que quem não faz diferença entre dia e dia não julgar quem o faça e quem faz  não julgar quem não faz, adventistas e evangélicos parecem fazer questão de não obedecer. 

 

 

 

Pensamos tambem que Jesus não daria o exemplo da ovelha cair, fome no milharal, paes asmos que nao deveriam se comer,  se não estivesse defendendo trabalhos emergenciais aos sábados - o exemplo dele fala da sua preocupação em não tornar o sábado um fardo e nem de liberar qualquer trabalho aos sábados. Jesus viveu sob a lei na dispensação judaica, e  na dispensação gentilica o Espirito Santo exigia apenas coisas basicas (Atos 15), ou seja, nada de sábado. Contudo isso não proibe alguem de dedicar este tempo como sagrado ao Criador, bem como pode fazer-nos refletir que na nova aliança precisamos ser guiados pelo Espírito Santo igual Jesus, que estava com o Pai na Criação. 

 

 

 

Na transição do judaismo para o cristianismo, feita sobretudo por Paulo, percebemos a preocupação do apostolo com uma escala de valores onde o novo nascimento, a fé, o poder , a inspiração, e a presença do fruto do espirito Santo em nós, reproduzindo a pessoa de Cristo, em sua bondade, misericordia e valores destacados no evangelho, ganharam maior e mais perene destaque, sobre os quais o evangelho deveria se alicerçar.

 


 

Nesta transição, insigneas judaicas foram desprezadas, declaradas cumpridas, arcaicas, caducas, rudimentares, provisorias, aios até que viesse o descendente Jesus e nos guiasse não mais por leis mas pela sua presença em nós pelo Espírito Santo.

 

 Colossenses 2:16 e 17 e Hebreus 4 nos fala que o sábado foi figura do descanso em Cristo. Galatas reclama de que os crentes ainda guardavam dias, meses, tempos e anos e Romanos 14 manda que haja respeito com diferenças quanto a guardar dias por parte de quem guarda e por parte de quem não guarda - ninguem deve julgar ninguem por guardar ou não dias.

Buscamos algumas soluções que possam sintetizar estas questões, entre elas encontramos em Calvino uma referencia.

Dependerá de cada adventista ser mais fiel ao cristianismo de Cristo e Paulo  ou ao judaismo de Moisés e Profetas. Exemplos de contradições entre estas duas linhas temos aos montes, esta é só mais uma:

Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo, e odiarás o teu inimigo.

Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus;

Porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos.

e outros onde Jesus manda mais que Moisés, se estabelece no lugar de Moisés para aqueles que lhe aceitam,  e muda as coisas , dizendo "eu porem vos digo"

Ouvistes que foi dito: Olho por olho, e dente por dente.

Eu, porém, vos digo que não resistais ao mal; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra;

E, ao que quiser pleitear contigo, e tirar-te a túnica, larga-lhe também a capa;

E, se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas.

Dá a quem te pedir, e não te desvies daquele que quiser que lhe emprestes.


Mateus 5:38-45

 

 

 

 

 

ACEITAREMOS jESUS OU PERMANECEREMOS NO AIO DE MOISÉS?

 

 

 

 

 

UM GRANDE ABRAÇO

 

 

 

 

 

SODRÉ



Ouvistes que foi dito: Olho por olho, e dente por dente.

Eu, porém, vos digo que não resistais ao mal; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra;

E, ao que quiser pleitear contigo, e tirar-te a túnica, larga-lhe também a capa;

E, se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas.

Dá a quem te pedir, e não te desvies daquele que quiser que lhe emprestes.

Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo, e odiarás o teu inimigo.

Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus;

Porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos.
Mateus 5:38-45

 

Ouvistes que foi dito: Olho por olho, e dente por dente.

Eu, porém, vos digo que não resistais ao mal; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra;

E, ao que quiser pleitear contigo, e tirar-te a túnica, larga-lhe também a capa;

E, se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas.

Dá a quem te pedir, e não te desvies daquele que quiser que lhe emprestes.

Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo, e odiarás o teu inimigo.

Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus;

Porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos.
Mateus 5:38-45


 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sábado: O Selo de Deus e a Escatologia Adventista

 
 
O SÁBADO NO NOVO TESTAMENTO

Estudo Pessoal sobre o Sábado por Greg Taylor (Ex-Pastor Adventista). Para ler a postagem completa clique aqui, para ler seu Testemunho aqui.

INTRODUÇÃO
O SÁBADO NO NOVO TESTAMENTO
JESUS E O SÁBADO
SÁBADO: O SELO DE DEUS E A ESCATOLOGIA ADVENTISTA

Outro texto que é freqüentemente levantado, especialmente em círculos adventistas, é todo o cenário de Apocalipse ensinado pela igreja adventista.

De acordo com esta visão, o sábado, porque era o selo ou o sinal do velho concerto (veja Ex. 31:12-18), deve, portanto, ser o "selo de Deus" em Apocalipse.

Assim muitos concluem que o sábado deve ser o teste final de lealdade para toda a humanidade.

Esta visão enfatiza também Apoc. 12:17 que descreve a igreja remanescente como a que guarda os mandamentos de Deus e tem o testemunho de Jesus.

Há alguns problemas com esta conclusão.

Primeiro, o Novo Testamento em nenhum lugar chama o sábado de o Selo de Deus. De fato, o Selo de Deus no Novo Testamento é o Espírito Santo (veja Ef. 1:13-14; 4:30 e II Cor. 1:22). Ignorar este claro ensino é perder todo o sentido do que Apocalipse está tentando dizer. 
 
Segundo, a palavra que João usa para mandamentos (entole, no grego) nunca é usada nos escritos de João para referir-se aos Dez Mandamentos[1]. Quando João está falando da lei em geral ou dos Dez Mandamentos em particular, ele usa sempre a palavra para a lei no grego que é "nomos".

Quando João usa “entole”, ele faz isso para referir-se às instruções de Jesus para a prática de amar um ao outro. Assim o Apoc. 12:17 traduzido para o inglês (em harmonia com uso de entole por João) é: "Aqueles que amam verdadeiramente o próximo e está falando ao mundo sobre Jesus”. Isto se encaixa perfeitamente com o Selo de Deus e com o assunto principal de Apocalipse.

O Espírito Santo de acordo com João 13 a 16 é o outro Consolador. Ele vive em nós e nos guia. Ele é JESUS HABITANDO em nossas vidas. O Selo de Deus nos últimos dias representa aqueles que têm uma caminhada pessoal diária com Jesus através da atuação do Espírito Santo. Isso é o que significa ser selado. Essa é a mesma mensagem de Hebreus 3 e 4. Quando nós repousamos em Jesus hoje e a cada dia, Ele é nosso sábado. O Espírito é a garantia de nossa herança (Efésios 4:14)! Em resumo, o Selo de Deus é Jesus vivendo em nós através da atuação do Espírito Santo. A marca da besta, por sua vez, seria aqueles que escolhem NÃO acreditar, que se recusam a aceitar o dom da graça, que se recusam a descansar em Jesus e escolhem depender de outra maneira. Aqueles que escolhem depender de suas próprias obras em vez de confiar no único Filho de Deus, têm a marca da besta.

Eu gastei muito tempo na seção de aplicação (as Epístolas) do Novo Testamento. Tornou-se claro que não há uma exigência obrigatória continuada para guardar o sábado. O que está alto e claro nas Epístolas do Novo Testamento é que Jesus cumpriu o sábado. O dia santo, no mínimo, tem sua importância diminuída. Ele NÃO deve ser usado como um assunto divisor ou um comando obrigatório para cristãos gentios. Ele não deve ser visto como um teste de lealdade. Ao invés disso, uma caminhada diária com Jesus através da atuação do Espírito Santo é o novo SELO ou TESTE.
 
Próximo Capítulo do Estudo Pessoal Sobre o Sábado:


Nota:

[1] Dale Ratzlaff, Sabbath in Crisis (Glendale, AZ,1990) pp 310-311. 
 
Saiba mais em:


Visite também nossa página sobre: O Sábado e Os Dez Mandamentos. Para compreender como funcionam os Concertos acesse nosso estudo: As Alianças, ou nossa página sobre Os Concertos.


Texto Original: Greg Taylor
Adaptação e Notas Adicionais: Hélio S. Júnior
Poderá também gostar de:
 
Raymond Cottrell: Daniel 8:14 e o Juízo Investigativo
 
O espírito por trás da Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Sábado: O Selo de Deus e a Escatologia Adventista
 
A Adoração

9 comentários:

  1. Um grande erro cometido pela maioria das pessoas que não conhecem o adventismo a fundo, é achar que os adventistas pensam que são os "donos da verdade". Não somos exclusivistas e trazemos novas verdades, ao contrário, nos dedicamos a estudar sempre a Bíblia com qualquer pessoa de qualquer religião porque procuramos a verdade na Palavra de Deus. Quanto ao sábado, o texto de Ezequiel 20 fala a respeito da desobediência do povo de Deus as ordenanças que Ele havia estabelecido. O pecado entrou no mundo da mesma maneira, quando Adão e Eva desobedeceram o mandamento de Deus. Vemos que a desobediência a palavra Deus é o pecado e sabemos que o pecado traz a morte. Me pergunto, se o Pai, o Filho e o Espírito Santo são 1 só DEUS, e que esse mesmo Deus diz que sua palavra não muda, porque as pessoas acreditam que o Jesus traz algum ensinamento conflitante com o velho testamento? Jesus também não é o mesmo DEUS do velho testamento? Jesus apenas nos mostrou o amor contido em todos os seus mandamentos! Amor que os fariseus e escribas não enxergavam! Ele cumpriu a Lei por ele estabelecida da forma correta. Amando ao próximo. "Não pensem que vim para abolir a Lei mas sim para cumpri-la". A bíblia em nenhum momento se contradiz, mas precisamos estuda-lá da forma correta, sem ler textos isolados, ou tirando conclusões fora do contexto.

    Responder
    Respostas
     
     
  2. Olá, Anônimo 22 de junho de 2012 16:07

    Você diz:

    "A bíblia em nenhum momento se contradiz, mas precisamos estuda-lá da forma correta, sem ler textos isolados, ou tirando conclusões fora do contexto."

    Você está certo no que disse irmão, e é justamente este um dos grande problemas com a formulação das doutrinas Adventistas.

    A chave para acabar com a confusão causada pelo Adventismo a respeito do Velho e Novo Testamento, sobre a Lei de Deus, o Sábado e os Dez Mandamentos, está em compreender as alianças que Deus deu a Abraão e a Moisés. Assim você poderá saber quais promessas e profecias foram cumpridas na cruz e quais permanecem até hoje.

    O Adventismo do Sétimo Dia infelizmente ensina e aplica muitas vezes o método de interpretação bíblica conhecido como "proof-texting"*. Eles usam a Bíblia de uma forma muito fragmentada para apoiar suas próprias noções preconcebidas, não tendo qualquer sensação real do fluxo da escritura e como tudo nela se encaixa. Esse método de interpretação é amplamente utilizado em seus cursos bíblicos.

    Mas tudo isso muda quando Adventistas começam a ler e estudar livros inteiros da Bíblia. Lendo toda a Bíblia, texto no contexto, adventistas imediatamente percebem a maneira pela qual toda a narrativa bíblica foi estruturada e definida - por Alianças. De repente, percebem que a história da redenção não pode ser plenamente compreendida sem entender os concertos que Deus fez com Seu povo.

    Sugiro a leitura de nossa página sobre:

    Os Concertos

    Em Cristo,

    Hélio S. Júnior

  3. Agora me pergunto... Supondo que Jesus tenha abolido o 4º mandamento, ou seja, a Guarda do Sábado, quer dizer que agora nós, evangélicos, temos 9 mandamentos ? Por quê só um foi abolido??? Isso não entra na minha cabeça.. =|
    Lembremos do velho ditado:
    "Um texto fora de contexto se torna um pretexto".

    A Paz.

    Responder
    Respostas
     
     
  4. A Paz do Senhor Jesus amigo Anônimo

    Não foi apenas O 4° mandamentos que foi abolido mas aliança inteira do Decálogo (Nosso Tutor) firmada no Monte Sinai foi removida em Cristo (Descendente da Promessa).

    A Antiga Aliança, os Dez Mandamentos, teve um começo (Sinai) e também teve um fim definido (vinda de Cristo). Gálatas 3:19 claramente afirma: "A lei foi adicionado ATÉ QUE viesse o Descendente (Jesus)."

    Muitos evangélicos ainda hoje afirmam a continuidade dos Dez Mandamentos, apesar de negarem a continuidade do quarto, colocam-se em uma posição difícil se não impossível de se sustentar.

    Os adventistas têm todo o direito de perguntar como a Lei de Deus pode ser ao mesmo tempo imutável e mutável, ao mesmo tempo. Eles têm o direito de perguntar com que autoridade houve esta mudança, e por que só o quarto mandamento foi modificado ou abolido. O Problema de alguns Evangélicos e Adventistas está em não compreender o que eram os Dez mandamentos.

    Por isso para você entender essa questão do Sábado, primeiro você terá que aceitar o que a Bíblia diz sobre o que os Dez Mandamentos eram:

    Deuteronômio 4:13 (NVI)

    "Ele lhes anunciou A SUA ALIANÇA, OS DEZ MANDAMENTOS. E escreveu-os sobre duas tábuas de pedra e ordenou que os cumprissem."

    O que a Bíblia diz que os Dez Mandamentos eram?

    Este texto afirma claramente que a aliança era especificamente o Eser dabar (literalmente "Dez Palavras" ou "Decálogo". Vamos olhar para um outro texto. Ao ler vamos perguntar novamente o que o texto diz que a Aliança era.

    Deuteronômio 9:10-11 (NVI)

    “O Senhor me deu as duas tábuas de pedra escritas pelo dedo de Deus. Nelas estavam escritas todas as palavras que o Senhor proclamou a vocês no monte, de dentro do fogo, no dia da assembléia.

    Passados os quarenta dias e quarenta noites, o Senhor me deu ,”


    Este texto também confirma que as palavras sobre as tábuas de pedra do decálogo (dez palavras) eram o Concerto / o Testamento. Vejamos um outro texto bíblico para confirmação.

    Deuteronômio 9:15 (NVI)

    Então voltei e desci do monte, enquanto este ardia em chamas. E as duas tábuas da aliança estavam em minhas mãos.

    Novamente, vemos que o Decálogo era a Aliança / Concerto / Testamento. Acredito que poderíamos citar vários outros textos, mas vamos apenas olhar mais um.

    Êxodo 32:15 (NVI)

    Então Moisés desceu do monte, levando nas mãos as duas tábuas da aliança; estavam escritas em ambos os lados, frente e verso.

    Aqui temos um fato interessante. Ao contrário das representações artísticas que estamos acostumados a ver, as tábuas do Decálogo não eram apenas escritas de um lado, mas na frente e verso. Isto é consistente com o que sabemos dos documentos de alianças do antigo Oriente Médio. Estes documentos eram sempre escritos na frente e no verso das tábuas com a produção de duas cópias idênticas. Uma cópia iria para o templo do suserano, enquanto a outra cópia iria para o templo do vassalo. Muitos estudiosos da Bíblia acreditam que as duas tábuas do Decálogo foram realmente duas cópias das mesmas Dez Palavras escritas frente e verso. Neste caso, porque Deus (o suserano) habitou no templo no meio do seu povo (os vassalos), ambas as cópias entraram no templo.

    Além disso, sabemos que o sinal da aliança era normalmente inscrito no centro do documento da aliança. Isto também é consistente pela ordem do Decálogo.

    Creio que isso já é suficiente para sabermos o que a Bíblia diz que os Dez Mandamentos eram...

    Continua...

  5. O que aconteceu com os Dez Mandamentos a Antiga Aliança?

    "Mas os seus sentidos foram endurecidos; porque até hoje o mesmo véu está por levantar na lição do velho testamento, o qual foi por Cristo abolido; e até hoje, quando é lido Moisés, o véu está posto sobre o coração deles." 2 Coríntios 3:14-15

    CRISTO ABOLIU O CONCERTO FEITO NO SINAI

    É preciso entender que o texto a qual me referi diz que o Velho Testamento foi Abolido por Cristo se refere a Velha Aliança Mosaica e não aos 39 Livros que compõem o Antigo Testamento. [Abolição do Pacto/Concerto/Aliança e não dos “Livros Sagrados”]

    O Antigo Testamento abolido citado pelo texto foi o decálogo [as Dez Palavras gravadas em placas de pedra pelo dedo de Deus (Leia II Coríntios 3)] o qual tinha por sinal a guarda do Sábado.

    Vou parar por aqui...

    Se quiser saber mais sobre o assunto sugira a leitura de:

    Nove dos Dez. Escolhendo os Mandamentos: O Sábado do Sétimo Dia, a Lei Mosaica, e a Inconsistência Evangélica.

    Em Cristo...

    Hélio S. Júnior

  6. vc sta fz confusão entre lei moral e serimonial , estuda mais meus amigos obg . fica c Deus

    Responder
  7. "Um grande erro cometido pela maioria das pessoas que não conhecem o adventismo a fundo, é achar que os adventistas pensam que são os "donos da verdade". Não somos exclusivistas e trazemos novas verdades, ao contrário, nos dedicamos a estudar sempre a Bíblia com qualquer pessoa de qualquer religião porque procuramos a verdade na Palavra de Deus"

    Mentira! Estudei 9 anos numa escola adventista, e eles se gabavam de serem os únicos a terem interpretado TODAS as profecia (apesar de terem interpretado errado...).

    E outra: tente enviar uma mensagem ou um testemunho que mostre a verdade sobre o sábado pra um amigo adventista... Ele não vai nem ler! A maioria faz isso. E os que respondem, assim que vêem do que se trata, geralmente respondem enviando alguns links com explicações de pastores adventistas tentando refutar (inutilmente... tipo: "no novo testamento, a passagem é muito parecida com a parte do velho testamento que manda guardar o sábado").

    Acredite... Aconteceu comigo há uns dias atrás. O problema dos adventistas é o ORGULHO. Desde os tempos de William Miller, eles dificilmente irão dar o braço a torcer de que foram enganados desde sempre por um falsos profetas.

    Responder
  8. (leia-se "profecias", ao invés de "profecia")

    Responder
  9. Isso sem falar que, pros adventistas, quem não guarda o sábado já está condenado.

    Quer um exemplo mais exclusivista do que esse, sr. "anônimo"?
    :-)

    Responder

Regras:

"Nenhuma palavra torpe saia da boca de vocês, mas apenas a que for útil para edificar os outros, conforme a necessidade, para que conceda graça aos que a ouvem. Não entristeçam o Espírito Santo de Deus, com o qual vocês foram selados para o dia da redenção. Livrem-se de toda amargura, indignação e ira, gritaria e calúnia, bem como de toda maldade. Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus perdoou vocês em Cristo." (Efésios 4:29-32)

1. Todos os usuários deverão se identificar de alguma forma (nome, apelido ou pseudônimo).

2. Comentários somente com letras maiúsculas serão recusados.

3. Comentários ofensivos serão deletados.

"Sigamos, pois, as coisas que servem para a paz e para a edificação de uns para com os outros." Romanos 14:19

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mais Acessadas

Você já encontrou Descanso em Cristo?

Jesus Cristo, o Sábado da Nova Aliança
 
Você Sabia que a palavra sabbatismos é encontrado apenas uma vez na Bíblia?
 
"Assim, ainda resta um descanso sabático (sabbatismos) pois todo aquele que entra no descanso de Deus, também descansa das suas obras, como Deus descansou das suas. Portanto, esforcemo-nos por entrar nesse descanso, para que ninguém venha a cair, seguindo aquele exemplo de desobediência." Hebreus 4:9-11 (NIV).
 
O autor de Hebreus usa o sétimo dia, o Sábado, como uma sombra de uma realidade futura e atual (Hoje), quanto aceitamos o convite de Cristo:
 
"Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis DESCAN­SO (ou sábado) para as vossas almas." (Mateus 11 : 28,29)
 
A palavra "descanso" em hebraico é "SHABATH", e em Grego é "ANAPAUSSIN", que também significa "REFRIGÉRIO". Não é glorioso?
 
Jesus completou ou trouxe vida ao 4º mandamento, quando apresentou o verdadeiro sábado do cristão. Ele mostrou que o verdadeiro descanso es­tava Nele mesmo.
 
Nossa Missão: Proclamar as Boas Novas do Evangelho da Nova Aliança da Graça em Cristo Jesus e Defender a Fé combatendo os erros do Legalismo e da Falsa Religião.
 
Nosso Lema: A Verdade não precisa de outro fundamento que não a investigação honesta, sob a orientação do Espírito Santo e a vontade de seguir a Verdade quando for descoberta. "E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará." João 8:32
 
Nossa Mensagem: "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus, não como resultado de obras, para que ninguém se glorie". Efésios 2:8-9
 
Nosso Método: Em amor escrever, orar e divulgar matérias escritas por teólogos e pastores ex-adventistas que fornecem informações precisas sobre a doutrina e prática da Igreja Adventista do Sétimo dia.
 
Nosso Mandato: Cerca de 300.000 membros deixam a Igreja Adventista do Sétimo Dia a cada ano. Muitas dessas pessoas queridas passam por um momento muito difícil de transição para outras igrejas cristãs. Eles foram ensinados que uma vez que aceitam os testemunhos de Ellen White e o Sábado do sétimo dia e depois, se abandona-los, eles perderiam a sua salvação. Observe as seguintes citações de Ellen White que os adventistas ainda consideram ser uma "fonte" autorizada da verdade, inspirada no mesmo nível que os profetas do Antigo Testamento como Isaías e Jeremias:
 
"It is Satan's plan to weaken the faith of God’s people in the Testimonies [writings of Ellen White] . Next follows skepticism in regard to the vital points of our faith, the pillars of our position, then doubt as to the Holy Scriptures, and then the downward march to perdition. When the Testimonies, which were once believed, are doubted and given up, Satan knows the deceived ones will not stop at this; and he redoubles his efforts till he launches them into open rebellion, which becomes incurable and ends in destruction.” Ellen G. White, Testimonies to the Church, Vol. 4, p. 211.
 
“If you lose confidence in the Testimonies you will drift away from Bible truth.” Ellen G. White, Testimonies to the Church, Vol. 5, p. 98.
 
"Then I was shown a company who were howling in agony. On their garments was written in large characters, 'Thou art weighed in the balance, and found wanting.' I asked who this company were. The angel said, 'these are they who have once kept the Sabbath and have given it up.'" Ellen G. White, Early Writings, p. 37
 
"God will never, never allow any man to pass through the pearly gates of the city of God who does not bear the signet of the faithful, His government mark." [in context the signet mark is the Sabbath] Ellen G. White, Medical Ministry, p. 123.
 
"God will frown upon those who disregard his commandments and he cannot bless the church that retains Sabbath-breakers in its fellowship." Ellen G. White, Signs of the Times, 1890-06-02.
 
Pode-se ver o trauma, interno intenso que os adventistas têm de enfrentar quando tentam deixar esses ensinamentos sectários de Ellen White.
 
Nosso Ministério: Temos ajudado milhares de pessoas na transição para fora do Adventismo, a encontrarem a certeza da salvação na justiça de Cristo somente, a tornarem-se fundamentados na Palavra de Deus e encontrar comunhão em igrejas cristãs saudáveis​​.
 
 

 

 

 

IMPORTANTE:

Não somos afiliados de nenhuma forma com a "Igreja Adventista do Sétimo Dia", com a rede "Novo Tempo" ou com o programa "Na Mira da Verdade".

Este blog cristão evangélico faz parte de um projeto interdenominacional em desenvolvimento chamado
Desafio Cristão. Nosso objetivo é ajudar pessoas enganadas por Religiões, Seitas e Falsos Profetas a conhecerem o verdadeiro Evangelho do nosso Senhor e Salvador JESUS CRISTO.

Share on facebook Share on twitter Share on email Share on print More Sharing Services